TAP vai contratar 1000 pessoas este ano

A 31 de janeiro de 2018, a TAP pôs ponto final num ciclo. Antonoaldo Neves era então eleito pelos acionistas para um mandato de três anos, sucedendo a quase duas décadas de Fernando Pinto ao leme da companhia. O engenheiro de 43 anos faz um balanço “positivo” deste primeiro ano, mas não esconde que foram meses de “decisões difíceis, muito trabalho, superação e investimento para ser possível reconstruir as bases que permitem à empresa continuar a crescer de uma forma sustentável”.

O arranque não foi fácil, com o início do ano a ficar inscrito na história da companhia como um capítulo negro, com mais de mil voos cancelados devido a greves. Mas o novo CEO conseguiu descolar e recuperar, um ano e 14 acordos sindicais depois, a paz social. O que implicou acudir à falta de tripulação que motivara muitas paralisações. Em 2018, entraram para a TAP 1113 pessoas, das quais 565 são tripulantes de cabine e 138 pilotos. Uma rota que é para manter: já neste ano, a TAP vai contratar mais mil pessoas para responder à expansão que ambiciona, proporcionada pela abertura de novos destinos e pela chegada de mais aviões.